Rommel Werneck
"Então, não mais, nunca mais despertar!""
Áudios
DUETO
Terza rima

De moldura de um círculo de borda
Num castelo dançamos outra valsa
Enquanto a palidez te transborda...

Voamos às estrelas numa balsa
E, num toque de mãos neste dueto
Tua voz já recai sutil e falsa...

Desposamos o amor num leito preto,
À música de um místico cristal,
A carne se transforma em esqueleto...

Além de um grande beijo, a Lua assiste
No bosque teu escape surreal....
Não pode ser somente um sonho triste,
Foi mais uma vez a vida real.
Enviado por Rommel Werneck em 06/04/2018
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras